Marketing Político: por onde começar ?

, Marketing Político: por onde começar ?

Em quem você votou nas últimas eleições? Descubra o que o marketing político tem haver com isso.

Assistimos à consolidação do marketing político nas últimas eleições de 2018. O então candidato e atual presidente Jair Bolsonaro, fez história ao utilizar de estratégias de marketing digital em suas campanhas, ao invés de apenas contar com velho espaço limitado da televisão.

Esta forma de campanha é legítima, porém existem normas e leis  próprias às esferas digitais que precisam ser seguidas assim como a legislação existente para a propaganda e televisão.

Para desconstruir o estereótipo de que “marketing é coisa de empresa ou produto” nossa equipe de marketing digital separou os principais pontos que compõem o marketing político.

TIPOS DE MARKETING POLÍTICO

Primeiro é importante saber que o marketing político está dividido em três:

  • Eleitoral, 
  • Pós-eleitoral
  • Partidário

    O Eleitoral corresponde ao período da campanha eleitoral que tem uma data estabelecida com começo e fim. Quem usa são principalmente quem ainda não tem mandato ou deseja se reeleger.

    O Pós-eleitoral é a manutenção permanente da comunicação construída por quem já possui um mandato. Visando manter sua imagem associada a uma boa administração.

    Partidário é o que trabalha a imagem dos partidos políticos.

Agora que já temos cada tipo estabelecido, vamos para as estratégias de marketing digital político.  

TENHA UMA PRESENÇA DIGITAL


O marketing digital é um assunto novo e que está em constante construção e renovação. Na hora de montar sua estratégia de marketing político ela deve estar alinhada ao seu marketing digital. 

Hoje nenhum produto, empresa e mesmo organizações governamentais deixa de estar na internet. Seja na forma de um site, nas redes sociais ou em um canal do youtube todos estão presentes.

Oratória e boa imagem, não apenas são essenciais no palanque, no palco das Redes Sociais essas são duas características que contam muito!

CRIE UMA COMUNIDADE

Além da persona, você precisará pesquisar e criar uma comunidade. Porque o conceito de comunidade em política é crucial, as pessoas gostam sentir que fazem parte de um grupo que compartilha das mesmas causas e visões de mundo.

Para o teórico mais importante do Marketing, Philip Kotler, marketing é ‘a atividade humana dirigida à satisfação das necessidades e desejos através de um processo de troca’.

Por isso, precisamos de planejamento (processo) e precisamos das Redes sociais que nos permitem a “troca”.

FAÇA UM CRONOGRAMA DE AÇÕES


Reuna informações relevantes para a população com ações políticas que você está realizando em benefício à sociedade. Construa essa ponte com seus futuros eleitores e continue alimentando-a no período eleitoral e pós eleitoral.

ESTABELEÇA CONTATO (INTERAÇÃO)

Tanto no pessoal quanto no virtual uma comunicação efetiva não se dá sem o contato. Na Internet ele é mais chamado por interação e tem suas próprias formas e mensuras. Acompanhe sempre comentários, inbox, reações como curtidas , tanto as positivas quanto as negativas.

ESTRATÉGIA MULTICANAL

Esteja onde estão seus eleitores! Aqui estratégias Offline e Online andam juntas. Seus eleitores usam mais Facebook ou Instagram? Que tal fazer um live enquanto está indo para algum Congresso?

FIQUE ATENTO ÀS PRINCIPAIS LEIS

Acompanhe as notícias sobre a LGPD- Lei Geral de Proteção aos Dados (Lei nº 13.709/2018) , que entrará em vigor em 2020 e afetará todos que utilizam ou/e trabalham com serviços digitais. 
A lei versa sobre a determinação de como dados pessoais devem ser coletados e tratados.

Segundo o Manual “Propaganda Eleitoral na Internet”, da Justiça Eleitoral, é proibida:

“Ainda de acordo com a Resolução-TSE nº 23.457/2015, é proibido:

-propaganda eleitoral, mesmo que gratuita, em site de pessoas jurídicas;
-propaganda eleitoral em site oficiais ou hospedados por órgãos da administração pública ( da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios);
-venda de cadastro de endereços eletrônicos;
-Propaganda por meio de telemarketing, em qualquer horário;
-atribuição indevida de autoria de propaganda a outros candidatos, partidos ou coligações.”

E para saber o que é permitido e as novas regras, dá uma conferida neste manual “Propaganda Eleitoral na Internet“.

Prontos para as eleições de 2020?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *